abr
9
2011

Vestibular – Redação – Narrativa


Vamos falar um pouco sobre narrativa, um dos gêneros textuais que, normalmente, são cobrados em vestibular. Uma narrativa, nada mais é do que um mini livro. Os princípios são os mesmos, a diferença é que, para uma prova de vestibular, há limitação de linhas. São elementos essenciais de uma narrativa:

– Narrador: é ele quem conta a história e pode figurar de duas formas:

1ª pessoa: quando o narrador participa da ação. Ele é personagem. A vantagem é que nesta forma, o narrador consegue transmitir as emoções dos acontecimentos, pois “vivenciou” a experiência. A desvantagem, é que, está limitado aos acontecimento ao seu redor, não pode estar em dois lugares ao mesmo tempo.

ex: Quando eu tinha dez anos de idade, vivi uma experiência incrível…

3ª pessoa: quando o narrador não participa da ação. Apenas relata o acontecimento. A vantagem é que pode narrar acontecimentos em vários lugares simultaneamente, não está preso ao acontecimento. A desvantagem, como não participou do evento, se torna mais difícil transmitir a emoção da experiência.

ex: Edmundo tinha dez anos quando viveu uma das maiores experiências de sua vida…

– Personagem: Toda narrativa tem que ter personagem. São eles que dão vida à história, ao relato.

– Ambiente: lugar onde acontece a narrativa.

– Momento: época do acontecimento.

– Enredo: é a trama, a história em si.

Além destes elementos básicos, uma narrativa deve conter descrições e diálogos, que são fundamentais para criar uma imagem na cabeça do leitor e dar ação e “movimento” ao texto.

– Descrições: as descrições são importantes para que o leitor crie sua própria imagem, tanto dos personagens como dos lugares. Em textos curtos, como contos e narrativas para vestibular, devem ser suscintas, breves, evidenciando apenas o essencial, pois a limitação de espaço não permite longas descrições. O uso de adjetivos é promordial para assegurar uma boa descrição.

Ex. Marcela tinha lindos olhos verdes, e um temperamento pacífico.

Ex. O quarto tinha um ar impregnado de umidade e cheirava a mofo, talvez por ter ficado tanto tempo fechado.

– Diálogos: podem ser diretos e indiretos. Os diretos são aqueles em que o próprio personagem “fala”. Neste caso, usamos o travessão “—” antes do texto. Nos indiretos, fica por conta do narrador descrever as falas.

Ex diálogo direto: — Estou muito chateado com você, Maria — falou José.

Ex. diálogo indireto. José falou para Maria que estava muito chateado com ela.

A narrativa de um fato implica interferência dos seguintes elementos:

Fato: o quê?

Personagem: quem?

Ambiente: onde?

Momento: quando?

Pergunte a você mesmo, na preparação do texto, os elementos acima. Dessa forma, suas respostas servirão de base para a estrutura do texto.

Em toda narrativa é imperativo que existam sempre o fato e a personagem, sem os quais não há narrativa. Na composição narrativa, o enredo gira em torno de um fato acontecido. Toda história tem um cenário onde se desenvolve a trama, desta forma, ao enfocarmos a trama, o enredo, teremos obrigatoriamente que fazer descrições para caracterizar cenários e personagens.

Use a criatividade. Verbos para dar ação ao texto. Frases curtas para dar suspense. Evite o “lugar comum”, ou seja, temas muito batidos, com desfechos previsíveis. Seja original.

Abraços,

Professor Edmundo Santana

Artigos relacionados

Sobre o autor: Edmundo Santana

Diretor Geral da Canadian Corporate Coaching Group Brasil. Sócio Diretor da Advance Consultoria e Treinamentos. Consultor e Instrutor em Desenvolvimento de Pessoas. Consultor e Instrutor do Sebrae/PR. Professor de Técnicas de Redação. Fundador do Blog Professor Edmundo Santana. Autor do Livro Fazendo a Diferença - Aprenda Fácil Editora

Leave a comment