Browsing articles from "fevereiro, 2011"
fev
3
2011

Veríssimo – Não é Meu

Esses dias atrás, publiquei um texto que me chegou às vistas como sendo de autoria do grande Luis Fernando Veríssimo. Até aí tudo bem. Hoje, recebi o comentário de um leitor me questionando sobre a autenticidade da autoria. Pensei e fui pesquisar. Na verdade, o que encontrei foi o texto que segue abaixo. De qualquer forma, mesmo não sendo de autoria do Veríssimo, o texto é bom, e reflete minha opinião sobre o assunto.

NÃO É MEU

fev
2
2011

Minha Redação Foi Anulada?

Tenho recebido muitas perguntas de alunos preocupados com suas redações. Na verdade, se por um erro ou outro, podem ser anuladas. Antes de mais nada, é preciso deixar claro que as instruções de uma prova são as regras essencias a serem cumpridas. Leiam e releiam, quantas vezes for necessário, e prestem muita atenção na hora escrever na folha definitiva.

Existem algumas regras que são comuns a quase todos os concursos, principalmente os vestibulares, as quais listo abaixo:

fev
1
2011

A Leitura Como Fator de Desenvolvimento

Fico muito satisfeito quando abro meu e-mail e vejo comentários dos leitores, principalmente, aqueles ávidos peo conhecimento em redação. Seja para tirar dúvidas, seja para perguntar se sua redação será anulada, por um motivo ou outro. Há também, aqueles que me enviam redações para corrigir ou avaliar. Acho ótimo. Fico realmente grato, pois, de alguma maneira, meu blog está atingindo o público. Se, de alguma forma consegui atingir, mesmo que uma pequena parcela da população, já é uma semente plantada.

Venho tentando incentivar a leitura em tudo o que faço. Seja nas aulas, no trabalho, no blog, enfim, de todas as maneiras que me são possíveis. Acredito fervorosamente, que a leitura é a base da cultura para qualquer cidadão, qualquer sociedade; é o ponto de partida. Quando os alunos reclamam que as escolas pedem livros “nada a ver”,  — que na verdade, acredito desestimular o hábito entre os jovens —, sempre aconselho a procurar uma literatura que lhe agrade. O que a escola pede, faz parte do programa — mesmo não concordando com alguns títulos —, e deve ser respeitado. No entanto, ainda acho que os jovens podem “negociar” com seus professores.