mai
25
2011

Falar Errado, Agora é Certo!!!


Gente, eu estou pasmo com o que li na revista Veja de 25/05/2011. Enquanto algumas pessoas, como eu, fazem o que podem para incentivar a melhoria da educação e cultura deste país, nossos governantes acobertam e aprovam uma verdadeira ofensiva à destruição cultural deste Brasil. Trata-se de, por meio de um livro adotado pelo MEC, entitulado Por Uma Vida Melhor, ensinar às nossas crianças que não existe certo ou errado em nosso idioma.

Se eu disser: Nós pegamos o peixe, sabemos que a frase está certa. A concordância verbal dentro dos padrões. No entanto, para essa nova frente que defende a “liberdade” no idioma, se eu falar: Nós pega o peixe, também está correto. Ora, vamos. Pensando dessa forma, podemos falar do jeito que “nóis querê”, pois assim, cada um inventa seu próprio idioma.

Pensando bem, há uma certa razão nesta “estratégia”. Investimos menos em educação. Assim, sobra mais dinheiro para tantas falcatruas, aquelas que já conhecemos bem. É mais “facio” assim, já que o governo dos últimos oito anos não se preocupou muito em como se expressar corretamente.

Bem, como já é uma prática de alguns governistas dilapidar o patrimônio público, que diferença faz acabar com nosso patrimônio cultural. Afinal, para quê isso serve? Melhor mesmo é permitir que os brasileiros, sofredores,  à margem da cultura, escrevam em seus “veículos” frases como a da foto acima, pelo menos saberão que estão escrevendo “certo”, ou será que não estão escrevendo errado?

Ah! já ia me esquecendo. Esse turminha que acha que pode criar uma nova língua mãe para nós, diz no livro que essas pessoas que falam errado, ou será que agora é certo? podem sofrer “preconceito linguístico”. Agora é só o congresso criar uma lei para prender quem for acusado de preconceituoso. O que vai ter de professor na cadeia…

Só sei mesmo, é que nóis num vemo horisonti nium nesse paiz.

Abraços,

Professor Edmundo Santana

P.S. Será que ainda sirvo para alguma coisa???

 

Sobre o autor: Edmundo Santana

Diretor Geral da Canadian Corporate Coaching Group Brasil. Sócio Diretor da Advance Consultoria e Treinamentos. Consultor e Instrutor em Desenvolvimento de Pessoas. Consultor e Instrutor do Sebrae/PR. Professor de Técnicas de Redação. Fundador do Blog Professor Edmundo Santana. Autor do Livro Fazendo a Diferença - Aprenda Fácil Editora

8 Comments+ Add Comment

  • […] infelizmente. Então, de repente, nos deparamos com situações como a que escrevi no último post Falar Errado, Agora é Certo!!! . Hoje, estava folheando a revista Exame (20/10/10) e li uma pequena matéria muito interessante, […]

  • Respondendo à sua pergunta – se o senhor ainda serve para alguma coisa – forçoso dizer que, infelizmente, não vai ser mais necessário, pelo menos, professor de português. Também outros de outras matérias estão super ameaçados. Os de química, por exemplo, vão ter sérios problemas. Potassio será potacio. Sódio, será çodio; Cobre poderá ser kobre ou cobra. Magnésio poderá ser manesio e assim por diante. Muita gente haferá de se envenenar.

    • Olá Eduardo. Espero que sua teoria não se cumpra, se me permite. Ainda tenho esperanças de que, mesmo em minoria, consigamos defender uma de nossas riquezas culturais, já que, para agradar as massas vale mesmo usar qualquer artifício, inclusive, “emburrecer” o povo. Ainda bem que não vivo de aulas.

      Abraços,
      Prof. Edmundo

  • LÍNGUA

    Há muitas línguas
    A língua do Pê
    Do Saci-Pererê
    Do Senado
    Do favelado
    Do letrado
    Do letrista
    Do lingüista

    Há línguas extintas
    Há muitas línguas
    A língua das tintas
    Da pintura
    Da Magistratura
    Da prisão
    Da mansão
    Da nobreza
    Da fraqueza
    Da regência
    Da descrença

    Há uma língua Azul
    Há muitas línguas
    A língua de Raul
    De queixas
    De Seixas
    De Camarões
    De Camões

    Há língua de “palmo”,
    De “trapo”
    De “badalo”
    De Saramago!!!

    Há línguas no museu
    Há língua de Abreu
    De formação
    De Catalão
    De Libra
    De fibra
    De Louis Braille!

    Há línguas no baile
    Há muitas línguas
    A língua indiferente do indiferente
    A língua oposta do oposto
    A língua nacional do irracional

    A língua do jornal
    Do sinal
    Do santo
    Do Esperanto
    Do Romeno
    Do tormento
    Do Chico Bento!

    A língua de Castro
    A língua do astro
    Do roqueiro
    Do grafiteiro
    Do “jeitinho brasileiro”!

    Há línguas no mundo inteiro!
    A galega
    A francesa
    A espanhola…

    Há língua portuguesa!
    Filha do Latim
    Falada por Jobim
    Em Portugal,
    Angola,
    Guiné-Bissau… Cresceu;
    E a tribo Guarani também aprendeu!

    Língua da Ilha da Madeira…
    Do Brasil!
    À brasileira!
    Do nordestino
    Do velho
    Do jovem
    Do menino
    Do mineiro…

    Português brasileiro
    Também é Português verdadeiro!

    Há línguas e línguas
    Há muitas línguas
    A língua Viperina
    A Neolatina
    A analfabética
    A poética
    A Materna
    A “eterna”…

    A língua da “guerra”,
    A língua Viva,
    E viva todas as línguas da Terra!
    A verbal
    A musical
    A gestual
    A obscena
    A da cena…

    A língua da Lei
    Da Canção
    Da Boa Razão
    Do Destino
    Dos Meios
    De Afonso Arinos…!

    Há língua nas leis do mundo inteiro!

    Com a língua se acha o respeito
    O direito
    A dignidade
    A amizade
    A razão
    A compreensão…
    O caminho da inclusão!

    Língua pra falar
    Pra amar
    Pra participar
    Pra ler
    Pra escrever…
    Pra sonhar!

    Com a língua se viaja
    Pela imagem
    Pela coragem…
    Pelos mares!

    Com a língua se descobre novos lugares
    Outras terras
    Outras Serras
    Outros saberes!

    Assim a quis
    Machado de Assis
    Com a língua Machado criava
    Os dias quentes de verão
    Os jardins da primavera
    E o beijo dos beija-flores!
    E recriava o romance dos amores!

    E no jardim da infância
    Um pouco de lembrança
    Das cores,
    Das flores…

    Há muitas línguas
    A língua que forma
    Que informa
    Que inclui
    Que exclui…

    Línguas que se destroem
    Línguas que se constroem
    Línguas no trem…

    Língua é poder
    É força
    E domina quem a tem!

    Há muitas línguas
    Há homens sem língua
    Há homens de língua
    Há, porém, homens sem vozes
    Porque lhes roubam a língua!

    Mata-se o Homem, mata-se a língua
    Mata-se a língua, mata-se o homem
    E mata-se todo o mundo!

    Muda-se o Homem, muda-se a língua;
    Muda-se o tempo, mudam-se as línguas,
    Muda-se a língua, muda-se todo o mundo!

    Há muitas línguas
    Há sempre novidades,
    Diferentes em toda e qualquer cidade;
    E do mau uso da língua
    Ficam-se as marcas na sociedade
    E do Casimiriano as saudades!

    A língua define origem
    Traça os destinos
    Ilumina na escuridão
    Quebra as correntes da escravidão
    Expande a mente
    Torna seres mais conscientes!

    Porém, com a sobrevivência na mente
    O aprendizado no chão
    E a incerteza na frente
    Sem lei nem grei:
    É a língua que encontrarei!

    No entanto, resta-me a esperança
    De um estalar de latidos da consciência
    E ainda na minh’ existência
    Poder ver
    Um belo saber
    Um belo viver
    E toda criança ser bem sucedida quando crescer!

    (Georgeana Alves)

    • Olá Georgeana. Parabéns pelo texto. Se me permite, vou postá-lo no blog e tirá-lo dos comentários. É bom que as pessoas possam ler textos de boa qualidade.

      Obrigado.
      Prof. Edmundo

  • Prof. Edmundo fico muito feliz que tenha gostado, fique à vontade para postá-lo em seu blog. Abraços, Georgeana Alves

  • Admiro-me ver algo desse tipo vindo de um professor.
    O certo e o errado é uma questão de perspectiva. Logicamente, nossa sociedade elegeu uma determinada variedade e devemos disponibilizar sua divulgação, mas isso não quer dizer que devamos anular as outras. Se o objetivo da linguagem é a comunicação, porque nos preocupamos tanto com a sua forma, se a maioria dos falares também são eficientes quando querem passar uma mensagem?
    Sou professora de Língua Portuguesa e nem por isso me sinto menos necessária.

    • Na verdade, professora, eu é quem me surpreendo com um comentário dessa natureza, ainda mais vindo de uma professora de português. Não se trata apenas de se preocupar com a sua forma, se trata de um patrimônio cultural que devemos respeitar. Se é para falar errado, então para que escola? Vamos mandar nossas crianças apenas para aprender a socializar, porque cultura; para quê?? Aí, neste caso, realmente não precisaremos de professores, apenas de animadores.

      Lamento muito ler isto.

Leave a comment